Mulheres – Princesa Diana

Inspiradas por nossa musa, Mary Red, decidimos criar uma coluna para homenagear essas mulheres que nos dão orgulho e são exemplo de coragem, determinação e força. Todo dia 10 iremos apresentar uma personalidade que fez a diferença no seu dia-a-dia e acabou mudando toda a sociedade.

Para abrir a coluna, escolhemos a princesa, que se tornou real sem perder o encanto: Lady Di.

“Não se pode confortar o afligido sem afligir os confortáveis” – Princesa Diana

Filha de aristocratas britânicos, Diana nasceu em 1º de julho de 1961. Devido à importância de sua familia, a menina sempre frequentou as melhores escolas e chegou a ter contato com a família real ainda na infância. Seus pais se separaram quando ela tinha sete anos, depois do pai descobrir a infidelidade da mãe. Diana e seu irmão se mudaram de Londres e passaram a morar com o pai no interior da Inglaterra. Com a morte do avô paterno, Diana recebeu o título de Lady, prenome que a acompanhou durante toda a sua vida.

Aos 17 anos, depois de voltar de uma temporada de estudos na Suíça, Lady Di de mudou para Londres onde deu início ao curso de culinária na famosa escola francesa Cordon Bleu. Sua grande paixão era o balé, mas seu pai fez de tudo para afastá-la da dança por considerar uma atividade fora dos costumes.

Mesmo sendo de descendência nobre, Diana sempre trabalhou e buscou sua independência. Foi babá e faxineira antes de começar a dar aulas em um jardim de infância. Apesar de sua “rebeldia” (ela chegou a se alistar na brigadada “fita de veludo encarnada”, uma associação de mulheres da alta sociedade que buscavam seguir padrões mais liberais), Lady Di disse uma entrevista que nunca gostou de badalações e que se manteve virgem até encontrar o homem especial.

Seu primeiro contato com o Príncipe Charles (quase 11 anos mais velho) foi na festa de 30 anos do sucessor ao trono. Diana foi ao baile com o intuito de aproximar sua irmã do príncipe, mas quem acabou mantendo contato e encantando o pretende foi a própria Lady Di. Dizem que a jovem conquistou o nobre depois de se mostrar preocupada com a morte de um tio dele. Em 29 de julho de 1981 os pombinhos se casaram e Diana recebeu o título de Princesa de Gales.

Logo depois vieram os filhos – William e Harry – e a decadência do casamento. Surgiram muitos boatos de traição por ambas as partes, escândalos envolvendo o príncipe e uma ex-namorada (e atual esposa. Onde há fumaça, há fogo!), perseguição de paparazzis e declarações de solidão da princesa. Até que no final de 1992 o casal real se separou, mas o divórcio só chegou ao fim em 96.

Apesar de não fazer mais parte da Família Real (e ser praticamente ignorada pela mesma), Lady Di continou fazendo um bom uso de sua popularidade. Ícone de beleza e elegência (incontestavelmente é uma das mulheres mais bonitas que já passou pelo Palácio de Buckingham), Diana ficou conhecida como “Princesa dos Pobres”, pois se dedicou a causas humanas como o combate a AIDS, principalmente na África, e a luta contra o uso de minas. Foi madrinha de mais de 100 instituições de caridade, presidente de um dos maiores hospitais de câncer do mundo e recebeu o prêmio Nobel da Paz por sua participação na Campanha Internacional para a Eliminação de Minas Terrestres.

Diana morreu em 31 de agosto de 1997, em Paris, ao tentar fugir da perseguição de Paparazzis. Seu funeral foi assistido por mais de 2 bilhões de pessoas em todo o mundo e a tristeza dos filhos foi uma das cenas mais comoventes que já vi.

Após sua morte foi criado um fundo em sua homenagem para dar continuidade ao trabalhado realizado pela princesa.

Por que ela é inspiradora

Lady Di era linda, rica, elegante e influente. Poderia ter se contentado em posar para revistas, poderia ter mantido seu casamento para continuar sendo Sua Alteza Real e poderia ter continuado infeliz. Mas ela foi mais, escolheu o caminho mais difícil para tentar fazer sua vida valer a pena. Foi contra os padrões, se expôs, assumiu os riscos e enfrentou as críticas. Foi mãe além de princesa e plebéia apesar de nobre, trabalhou junto ao povo e trouxe de volta o prestígio à Monarquia (apesar de ter sido tão rejeitada).

Lady Di

A Princesa Diana não se limitou ao título e por isso merece estar na nossa coluna! Ela foi o que todas nós sonhamos e viveu todos os nossos pesadelos e problemas.